? ºC Cuiabá - MT

Polícia

02/09/2021 18:58

Assassino confesso de empresária pega 24 anos de cadeia

Criminosos que mataram e ocultaram o corpo da empresária Rosemeire Soares Perin, à época 52 anos, foram condenados em júri realizado pela 4a Vara Criminal de Várzea Grande. O crime aconteceu no dia 16 de fevereiro passado. Mas o corpo só foi encontrado 2 dias depois em uma estrada de chão na comunidade da Passagem da Conceição, em Várzea Grande. 

Jeferson Rodrigues da Silva, 33 anos, foi condenado a 23 anos e 6 meses por latrocínio - roubo seguido de morte - em regime fechado. O outro envolvido, Pedro Paulo de Arruda de 29 anos, foi condenado por ocultação de cadáver, resistência à prisão e tráfico de drogas. Ele vai cumprir pena em regime aberto.

 

Segundo apuração da polícia, o primeiro condenado conhecia a vítima desde 2011, por conta de sua família trabalhar no mesmo segmento comercial da vítima. Porém, só em 2020 eles se aproximaram, pelo fato de Jefferson ter começado a trabalhar na mesma área.

 

Rosemeire vendia produtos de festas, prestava assistência de equipamentos e também comercializava máquinas de sorvete. Segundo a polícia, a rotina da vítima incluía contato constante com seus clientes, por conta da manutenção das máquinas vendidas.

 

O caso

Rosemeire Soares foi encontrada morta na Passagem da Conceição, em Várzea Grande, na tarde de quinta-feira (18). Antes disso, a última vez que empresária havia sido vista pela família foi na terça-feira (16), quando saiu para trabalhar.

 

Ao ser preso, Jefferson confessou o assassinato. Ele matou por conta de uma dívida de R$ 1,4 mil com a empresária.

 

"O que motivou o crime foi uma dívida que ele tinha com ela desde que adquiriu uma máquina de sorvete dela em março de 2020, pelo preço de R$ 7 mil. Depois da compra, a máquina deu problema e manutenção ficou em R$ 2.100. Depois disso, ele ficou devendo mais R$ 850", explicou o delegado Marcel de Oliveira, que apurou o crime.

 

"Nesse período, ele começou a vender espetinho e comprou pratinhos de plástico dela também, no valor de R$ 156, que foi somado à dívida. Quando ela foi cobrar, ele não gostou. Ela já estava na casa dele testar o batedor de milk-shake e foi quando recebeu uma gravata do agressor, ficou sem ar, desmaiou e foi amarrada pelos pés, mãos com fitas e amordaçada", acrescentou o delegado.

 

O autor confesso do crime procurou então a ajuda de outra pessoa, com quem já havia trabalhado em um lava-jato, para ocultar o corpo de Rosemeire. Por volta das 22h do dia 16 de fevereiro, eles voltaram à quitinete, enrolaram o corpo em um lençol, uma lona e um edredom, e depois seguiram até a região da estrada da Guarita, onde jogaram o cadáver em um barranco.

 

Em diligências no dia 18 de fevereiro, uma equipe do Batalhão da Rotam abordou o veículo que era conduzido pelo suspeito e com ele foi encontrada a carteira de habilitação da vítima. Conduzido à DHPP, em um primeiro depoimento ele deu informações contraditórias e negou. Depois, acabou confessando o que acreditou que seria um crime ‘perfeito’ e informou que recebeu ajuda de uma segunda pessoa.

 

O segundo suspeito, que deu apoio para o transporte e ocultação do corpo, foi detido ainda na quinta-feira, também por uma equipe da Rotam. Na delegacia, ele negou que tivesse cometido o crime, inclusive o tráfico de drogas pelo qual foi detido também em flagrante, e que não teve nenhuma participação na ocultação do corpo de Rosemeire.

 

 

 

Fonte: https://www.gazetadigital.com.br/


Copyright 2015 - Todos os direitos reservados.
DNA Notícias.

Crie seu novo site Go7
vers�o Normal Vers�o Normal Painel Administrativo Painel Administrativo